Ricardo Rangel

Estou vendo muita gente com saudade da ditadura e com raiva de gente assassinada há mais de 40 anos, grande parte dela inocente de qualquer crime.

Ivan Lessa dizia que a cada 15 anos o Brasil esquece o que aconteceu nos 15 anos anteriores. Eu não sei se as pessoas se esquecem de como era a ditadura ou simplesmente não sabem. Aqui vai um lembrete para quem tem nostalgia do que nunca existiu.

Se você falasse mal dos militares, como fala mal dos petistas hoje, seria preso.

Se fizesse uma passeata contra os militares, como fez contra Dilma e contra a corrupção, a passeata seria dispersa com cassetetes, bombas lacrimogêneas e balas de verdade (sim, teve gente que morreu). Se não fugisse, seria preso.

Quer ver um filme? Só se o governo deixar. Nu frontal, violência, trama política ou suposta ofensa à Igreja não pode. “Laranja Mecânica”, de Kubrick, por exemplo, nem pensar.

Quer ir ao teatro ou ver um show? Melhor não. Às vezes jogam bomba, às vezes invadem o teatro e espancam os atores.

Quer ler o jornal? Não tem notícia sobre política, mas, pra quem gosta de cozinhar, pode ser uma boa. O Estado de São Paulo trocava as matérias da primeira página, censuradas, por receitas culinárias. Às vezes vinham umas ótimas.

O Pasquim era legal. Como o jornal era muito irônico, os censores não entendiam as piadas e deixavam passar. Mas uma vez o Jaguar botou Dom Pedro I na capa, gritando “eu quero é mocotó”. Os militares acharam desrespeitoso, e, como se sabe, desrespeito merece cadeia. 40 pessoas, incluindo a secretária e o fotógrafo, ficaram 3 meses em cana. Como não se podia dizer que estavam presos, dizia-se que estavam gripados.

Se tinha corrupção? Paulo Maluf, já ouviu falar? Foi escolhido pelos militares para ser prefeito, governador e candidato a presidente, deu calote no BNDES etc. etc.

Ah, mas a economia era boa. Era? Correção monetária, explosão da dívida externa, descontrole fiscal, e 220% de inflação ao ano. Quadro que levaria à “década perdida”, à moratória, e a 80% de inflação ao mês, e que só seria revertido em 1994, no plano real, ao custo de uma taxa de juros de mais de 40%. Até hoje pagamos por isso.

E tinha o detalhe, claro, de que você não votava pra presidente, governador e prefeito; um terço dos senadores era escolhido pelo governo; o Congresso era proibido de legislar sobre impostos e outras matérias financeiras; quando os parlamentares não faziam o que governo queria, o governo fechava o Congresso e baixava um decreto determinando o que ele queria.

O governo tratava você como um débil mental.

Anúncios

Carla Pola

Vejam o que os “malvadões” dos militares fizeram pelo meu falecido cunhado, Alexandre. História real da família do meu marido Augusto Carlos Pola. E olha que foi o mais linha dura de todos os generais que passaram pela Presidência do Brasil (que sou fã).

“Meu irmão nasceu no início da década de 70, em Tubarão-SC. Nasceu com lábio leporino, parcialmente aberto. Alexandre foi o quarto filho de Erecina e Augustinho Polla, que tinha uma pequena oficina mecânica de automóveis. Minha mãe levou o pequeno até a agência do “INPS”, no centro da cidade, implorando por uma cirurgia plástica na criança, que foi negada. Meu pai não tinha condições financeiras para tal. Ela então resolveu escrever ao Presidente da República do Brasil, pedindo ajuda para que seu filho fosse operado. Todos riram de sua intensão, de sua fé, inclusive meu pai, mas ela não desistiu de seu intento. Após alguns dias estacionou um carro do exército em frente à nossa pequena casa de madeira, desceu um oficial e comunicou para minha mãe que meu irmão seria operado em São Paulo, dali a alguns dias, e que ela não precisava se preocupar com nada, já que todos os custos, inclusive de transporte, estadia e alimentação, seriam cobertos pelo governo. A cirurgia foi um sucesso. Até hoje só temos a agradecer por esta atitude do presidente brasileiro na época, que com este ato mostrou-nos a sua simplicidade e o quanto se importava com os cidadãos brasileiros. Obrigado Gen. Emilio Garrastazu Médici, pelo grande gesto.”

Carla Pola

Carla Pola
8 h · 

Aff! Até o Presidente da OAB quer investigar o Geisel. Essa gente pede para ser ridícula e entra umas mil vezes na fila, não é possível!.
O General Geisel está morto e morto não pode se defender. Vamos respeitar os mortos e a LEI DA ANISTIA.
E o Geisel não deu ordem para execuções coisa nenhuma, quem conhece e estudou a história do período sabe disso.
Isso é pura armação da esquerda. Atacar mortos é especialidade deles. Pio XII que o diga!!
Estão apavorados com a liderança do Bolsonaro e com uma penca de militares que disputarão as eleições e eu espero que se elejam TODOS.
De mais a mais quem começou o ataque foram os terroristas da esquerda colocando uma bomba no aeroporto de Guararapes do Recife em 1966, onde morreram 2 e 14 ficaram feridos. Queriam matar o General Costa e Silva, não deu. No mesmo dia explodiram mais bombas e se não causaram vítimas deve ter sido a Mão de Deus.
O que essa gente queria?? Jogar bombas, matar gente e que os militares ficassem quietos?? Vão se internar!!!!
Por que não se investiga as mortes causadas pelos terroristas comunistas?? Por que não se investiga as mortes causadas por justiçamentos sumários dos camaradas matando outros camaradas???
Muitos que largaram a “causa comunista” pediram proteção aos militares com medo de sofrerem esses justiçamentos e os militares ajudaram uma penca deles a trocar de nome e fugir do país, dos seus “camaradas”.
Agora me aparece um memorando da CIA (que virou um antro de esquerda que o Trump até mudou o comando para ver se limpa um pouco aquilo lá) e dá esse bafafá todo??
Pois quem ainda não entendeu, estávamos em guerra. Acho que nem os militares entenderam porque ao contrário do Pinochet não fizeram a limpa nessa bandidagem e eles voltaram como heróis e destruíram o Brasil como estamos vendo.
Quem sabe a CIA e a OAB fazem alguma coisa que preste e comecem a fazer memorandos dos justiçamentos e das vítimas do terrorismo dos camaradas que nem indenização receberam, mas os terroristas daquela época, alguns assassinos confessos, estão ganhando a maior grana com indenizações que saem do nosso bolso.
Geisel não deu essa ordem, mas de minha parte deveria ter dado.

Antonio Pereira

Podem até me crucificar mas na minha opinião as FFAA falhou quando esteve no poder durante o governo militar.

Se tivesse matado todos aqueles comunistas de merda, verdadeiros terroristas que assaltavam, roubavam, extorquiam, torturavam, destruíam, sequestravam e assassinavam. Hoje o nosso país estaria bem melhor, sem Lulas, Diceus, Genoínos, Franklins, Dilmas, Serras, FHCs e tantos outros FDP que enganam e roubam o povo.

Eu estudei e trabalhei em São Paulo nesta época, presenciei de perto as ações terroristas dos comunistas exigindo a força máxima do Exercício para defender o povo, a democracia e direito de todos.

Naquela época crianças brincavam nas ruas; podia-se passear, a qualquer hora do dia ou da noite em qualquer lugar; as únicas drogas, que eram combatidas com total rigor, era a maconha e a bolinha; as pessoas eram respeitadas; professores, policiais e idosos eram autoridades e tratados com respeito. Havia pobreza e dificuldades sim, como hoje, mas havia dignidade algo desconhecido na atualidade.

Nunca fui assaltado, humilhado ou sofri qualquer agressão, a polícia estava presente o tempo todo armados com um 38, um cassetete é um apito e marginal não folgava na área. Tínhamos segurança e liberdade!

É bem verdade que faltava muita coisa, tínhamos deficiências no ensino, na saúde e na locomoção, mas estávamos saindo de um período negro onde políticos idealistas colocam em xeque a segurança nacional, o mundo acabara de atravessar uma guerra mundial e a corrupção, o oportunismo e o idealismo distorcia a nossa política. Mesmo assim, com muita dificuldade e sacrifício de todos o Brasil emergiu e se destacava com louvor em todos os cenários.

Época boa, que estes comunistas de merda, neste partidos de merda, políticos socialistas de merda destruíram!

Nosso país, embora o seu povo ignore, está nas mãos destes bandidos safados e TERRORISTAS do passado e muitos de nós ainda os defende.Trouxas!